• Ana Pinto

Guia para prevenir a Ansiedade Diária



Ansiedade é a palavra da atualidade. Todas nós já ouvimos falar e já sentimos os seus efeitos, mas nem sempre é fácil de descrevê-la. As causas e sintomas são inúmeros, e podem-se revelar de diversas formas em cada uma de nós.


Podemos resumir a sua definição como um estado de tensão emocional, resultante de uma situação demasiado exigente para nós. E o que isto nos diz? Que é natural sentirmos ansiedade em alguns momentos da nossa vida: Quando somos estudantes e vamos entregar uma tese ou um trabalho importante; quando mudamos de emprego ou quando nos decidimos despedir; quando recebemos um novo membro na família…


Mas quando a ansiedade se prolonga no nosso dia-a-dia sem motivo aparente, carece de maior atenção.





A chamada ansiedade prolongada acaba por ir distorcendo aos poucos a forma como vês o mundo e a tua realidade, a forma como pensas e [não] refletes, perdendo a capacidade de tomares decisões conscientes e distorcendo a pessoa que és.


E na grande maioria das vezes, a ansiedade é criada por ti própria, quando te entregas ao perfeccionismo e à necessidade de controlar tudo à tua volta. Isto impede-te de viveres uma vida Presente, tornando-a numa constante viagem no tempo, na tentativa de que as tuas projeções e expectativas do Futuro sejam cumpridas ao mesmo tempo que és incapaz de te desligares da tua história de vida e das tuas memórias do Passado.


A vida é demasiado imprevisível, pouco segura e inconstante. E a verdade é que não vais conseguir mudar essa realidade. Mas podes mudar a forma como encaras a vida.


Existem quatro pilares base, para que tu possas não só reduzir a ansiedade diária, mas também começares a traçar um caminho de prevenção à ansiedade. Porque esta é a chave, e já o ditado diz:"mais vale prevenir que remediar”.


Aquilo que tu precisas para encontrar mais tranquilidade é de:


  1. Saberes fazer uma boa gestão e organização do teu tempo. Para isso é importante teres Rotinas com atividades que te façam sentir bem no começo e no fim dos teus dias, para construíres a segurança e auto-estima que precisas para a instabilidade da vida. Como podes pôr em prática? Começa o teu mês a fazer um planeamento e inclui uma atividade de lazer/bem-estar nova a cada mês de curta duração (15/20 minutos).

  2. Saberes gerir melhor as tuas Emoções. Aprender a reconhecer e compreender o que estás a sentir a cada momento, vai-te permitir escolheres o que é melhor para ti a cada momento e a entenderes que tudo é passageiro. Como podes pôr em prática? Papel e caneta e escreve regularmente o que sentes.

  3. Aprenderes a Respirar. A forma como respiras diz muito sobre a forma como te sentes e como geres a tua ansiedade. E sendo a ferramenta mais básica que tens e que tens sempre disponível para ti, é importante saberes utilizá-la a teu favor. Como podes pôr em prática?Para e observa a respiração. Encontra momentos para fechares os olhos e verificares se é lenta e profunda, ou rápida e agitada. Se respiras mais pela zona do peito ou pela zona abdominal.

  4. Aceitar que deves Mover o Corpo regularmente. Devido à tua ansiedade diária, vais acumulando ao longo dos dias não só tensão emocional como também tensão física. E é necessário moveres o corpo para aliviar. Como podes pôr em prática? Começa a praticar Yoga regularmente. Felizmente é a metodologia milenar que consegue trabalhar o equilíbrio do teu corpo, mente e espírito ao mesmo tempo.


São vários os sintomas de uma ansiedade prolongada: frustração, raiva, fraca auto-estima, preocupação constante, insónia e fraca capacidade de concentração e foco. Mas infelizmente não nos afeta só mentalmente. Tem um efeito direto no teu corpo, porque tudo está ligado.


Existem perturbações no coração, na respiração e pode desencadear dores crónicas no corpo, bem como algumas alergias e intolerância alimentar a alguns alimentos. Imagina o quanto o corpo tem de trabalhar para suportar tudo isto diariamente, quando deveria ser apenas em alguns momentos mais desafiantes da tua vida.


Não nos podemos dar ao luxo de ignorar a ansiedade. E por isso pergunto-te:

Vais continuar a remediar, ou vais ganhar coragem para começares a prevenir?



44 visualizações